PRIVATE AREA | REGISTER EN PT ES


WE STRONGLY
BELIEVE IN SOLID
FOUNDATIONS
Login
NEWS Gestores e Investidores de dívida “distress”: Valor acrescentado
As empresas gestoras de créditos “non performing (“servicers”) e os investidores desta classe de ativos são muitas vezes vistos como entidades oportunistas, sem valor acrescentado para a economia. Nada mais injusto e derivado duma ideia pouco concebida e superficial acerca do papel destes intervenientes. Com este texto pretendo desmistificar o papel e importância dos mesmos no setor financeiro e económico.

As entidades financeiras deparam-se ao longo do seu ciclo de vida com créditos em mora. Faz parte da sua atividade de concessão de crédito, e a sua maior ou menor incidência dependerá dos ciclos económicos e da própria aversão ao risco de cada entidade, assim como da gestão criteriosa e processual na seleção e atribuição de crédito. Os bancos têm de cumprir com rácios mínimos de capital definidos pelos bancos centrais, e estes rácios são calculados dividindo o capital pelos ativos ponderados pelo seu risco. É de fácil conclusão portanto que os créditos em incumprimento são aqueles que exigem uma maior fatia de capital alocado e por isso consomem muitos dos recursos bancários. Não só consomem muito capital como consomem muitos recursos físicos. São processos de difícil resolução que exigem pessoas com experiência e qualificações relevantes, consomem muito trabalho e dedicação e cuja conclusão poderá implicar prazos muito longos.

Os investidores típicos desta classe de ativos conhecem muito bem os riscos envolvidos e percebem o papel preponderante que terá um “servicer” especializado na gestão dos mesmos. O investimento nesta classe permite aos bancos aliviar os seus rácios de capital e por sua vez injetar liquidez no sistema e potenciar novas concessões de crédito. Nesta fase de instabilidade económica em que vivemos e na contínua desalavancagem por parte dos bancos com vista ao cumprimento dos novos rácios de transformação impostos pelo Banco de Portugal, o papel destes agentes económicos nunca foi tão necessário. Um sistema financeiro saudável é o alicerce de qualquer economia saudável!

Os gestores desta classe de ativos são o elo de ligação com os investidores e um fator crítico de sucesso na decisão de investimento por parte destes últimos. Se não houver bons gestores no mercado, dificilmente se conseguirá atrair investimento e gerar confiança para atrair capitais estrangeiros para este setor em Portugal. Um gestor competente fará a diferença na obtenção de resultados e na aplicação das boas práticas de mercado.

Por último, gostaria apenas de salientar a relevância do papel do “servicer” perante o devedor, na economia. O papel dos gestores destes ativos é não só o de solucionar a atual situação de incumprimento em que se encontram, tentando acomodar da melhor maneira o cumprimento das obrigações destes últimos mediante as suas possibilidades, mas igualmente explicar como podem evitar futuras situações de incumprimento, exercendo um papel determinante na educação financeira dos devedores.

João Boullosa
Managing Partner
DUO Capital


VIDA ECONÓMICA
11/10/2013
LATEST NEWS